Cristina (Thorstenberg) Ribas. Trabalho como artista, pesquisadora e não muito frequentemente como curadora. Nasci em 1980. Sou brasileira e mãe. Já organizei residências para artistas e diversos projetos interdisciplinares (desde meados de 2008). Em meu doutorado mergulhei nas histórias da análise institucional e nos estudos da subjetividade em relação à criatividade. Há alguns anos tenho me envolvido com estudos, perspectivas e grupos feministas, escrevendo a partir de um problema de gênero (mulher?) e dos trabalhos reprodutivos. Como artista-etc minha prática já se envolveu mais com articulações entre práticas artísticas, conhecimento, memória, história, arquivos, a esfera pública e a política. Em meu trabalho autoral já me envolvi mais diretamente com a construção instalações, usando fotografia, escultura, vídeo, e intervenções urbanas de pequena escala. Percebo que escrevo no intuito de analisar minha prática artística assim como a de amigos, coletivos e projetos afins. Desejo uma escrita (ora diagramática ora cartográfica) que mistura e multiplica, como prolongamento, uma militância ora ampla e ora específica. Procuro atuar nas miscigenações de um campo da arte com outros campos e práticas a partir da organização de dispositivos para criar e compartilhar conhecimento. A partir de 2005 desenvolvi a pesquisa Arquivo de emergência. Parte do acervo deste arquivo foi incorporado à plataforma on line aberta Desarquivo.org, organizada por mim, e de livre uso. Em 2014 concebi e realizei junto a um grande grupo o ‘Vocabulário político para processos estéticos’. Tenho Doutorado (PhD) em Art pelo Goldsmiths College University of London, sob a orientação de Susan Kelly. Mestrado em Processos Artísticos Contemporâneos (UERJ, 2008) e graduação em Artes no Instituto de Artes (UFRGS, 2004). Faço parte da rede Conceptualismos del Sur desde 2008; do grupo de pesquisa Epistemologias Afetivas Feministas (EAF) desde 2019; e da Associação I-motirõ.