Cartografia e arquivo podem ser pensados de várias maneiras diferentes. Com os Arquivos Táticos, propomos uma cartografia visual que abrange uma série de 1publicações, eventos, festivais, mídias táticas, internet e conhecimento livre no Brasil no período de 2002 a 2018. A cartografia, como pesquisa que é, também traz o contexto político, com o objetivo de se abrir para o futuro. Escolhemos a cartografia como método de pesquisa por permitir pensar coletivamente e abrir uma série de análises e abordagens para estas práticas no Brasil. Entendemos que os indivíduos não estão sozinhos no mundo, que a subjetividade não é produzida na individualidade, mas é produzida coletivamente. Ao nos dirigirmos a essa história, decidimos abordá-la a partir da subjetivação coletiva, e de nossa condição como pesquisadoras mulheres.

Artigo de Cristina Ribas http://desarquivo.org e Universidade Federal do Rio Grande do Sul crislaranjaribas@gmail.com Giseli Vasconcelos http://comumlab.org/ netcultura@gmail.com e Tatiana Wells https://midiatatica.info tati.xx@gmail.com na publicação II Seminário Internacional Convergências, que ocorreu nos dias 09, 10 e 11 de outubro de 2019 em Porto Alegre.

Palavras-chave: mídia tática, arquivo, história, cartografia, feminismo.